Sete conceitos errados sobre alienígenas

A página não foi completamente carregada ou o navegador não suporta JavaScript. Textos Assim correspondem às notas.

sete-conceitos-errados-sobre-alien

7 conceitos errados sobre alienígenas7 conceitos errados sobre alienígenas. Hypescience, em 18 de março de 2013.

Incontáveis filmes, livros, desenhos e seriados de ficção científica criaram imagens extremamente variadas de alienígenas. Como (a princípio) nunca encontramos um de verdade, não há como desmentir essas imagens, certo? Não exatamente: combinando seus conhecimentos sobre a vida na Terra e sobre o espaço, astrobiologistas e outros pesquisadores imaginaram como seriam extraterrestres inteligentes – e eles não se parecem muito com aqueles que vemos em filmes de Hollywood.

7. Eles não virão “em paz”

Certa vez, o célebre físico Stephen Hawking disse que nossa tentativa de nos comunicarmos com alienígenas pode ser perigosa: “Eu acredito que o resultado seria muito similar ao da primeira vez em que Cristóvão Colombo veio à América, que não foi muito bom para os nativos americanos”.

E por que deveríamos supor esse comportamento agressivo? De acordo com Seth Shostak, astrônomo do Instituto SETI (sigla em inglês para Busca por Vida Extraterrestre Inteligente) em Mountain View (EUA), basta olhar para a própria raça humana, que ao longo de sua história vem usando violência para obter e proteger recursos e sobreviver – algo que poderia ser “necessário” em outros planetas. “Imagino que recursos sejam finitos em qualquer parte do universo”, explica Shostak.

6. Eles não nos colocaram aqui

Há quem acredite que a vida na Terra teria sido trazida por alienígenas – algumas pessoas têm teorias ainda mais específicas, como a de que o “planeta viajante” Nibiru (que nunca foi observado por astrônomos) teria trazido as primeiras formas de vida ao nosso planeta.

“Toda semana eu recebo e-mails dizendo que o Homo sapiens é resultado de uma intervenção alienígena”, conta Shostak. “Não tenho certeza de por que aliens estariam interessados em nos criar. Acho que as pessoas gostam de pensar que somos especiais”.

5. Eles são imunes a bactérias terrestres

Há muitas obras que retratam aliens como criaturas avançadas, porém incapazes de sobreviver a infecções na Terra. Há uma incoerência nessa ideia. “Formas de vida alienígenas não viriam aqui e seriam destruídas por nossas bactérias, a menos que fossem bioquimicamente relacionadas a humanos. Bactérias teriam de ser capazes de interagir com a bioquímica deles para serem perigosas, algo que não pode ser dado como certo”.

4. Eles não vão nos devorar

Partindo do mesmo pressuposto do tópico 3, faz sentido imaginar que aliens não seriam capazes de nos digerir, devido a grandes diferenças bioquímicas. E, provavelmente, sequer precisariam. “Uma sociedade capaz de realizar viagens interestelares teria resolvido seus problemas de desenvolvimento e não precisaria se alimentar de seres humanos”, aponta o astrônomo Jacob Haqq-Misra, da Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA).

3. Eles não vão se reproduzir com humanos

Para criar seres “mestiços”, o código genético de aliens teria de ser compatível com o de humanos, algo altamente improvável. “Pense em como nós não conseguimos nos reproduzir com outras espécies na Terra, e olha que elas têm DNA. Seria como tentar se reproduzir com um carvalho”.

2. Eles não virão “pessoalmente”

Se mesmo entre humanos é comum usar máquinas para fazer o “trabalho sujo” (como satélites para explorar o espaço), por que com aliens seria diferente? É uma questão de eficiência – e, às vezes, de segurança.

1. Eles podem não existir

Considerando que o universo é “infinito”, a ideia de que só há “vida inteligente” na Terra soa improvável. Contudo, o próprio surgimento de vida terrestre é, até onde se sabe, um grande “golpe de sorte”, e nos diz pouco sobre as chances do mesmo acontecer em outros planetas.

CONSIDERAÇÕES

O artigo traz questões relevantes, mas algumas abordagens são superficiais em relação à ufologia. É importante ressaltar que, no âmbito ufológico, as especulações se detêm à origem e natureza das criaturas, uma vez que sua presença – e de suas máquinas – já estariam confirmadas pelo conjunto da casuística (veja Realidade OVNI). Nesse aspecto, caberiam as seguintes considerações:

7. Eles não virão “em paz”

Desde a década de 1960, o paradigma dos “irmãos cósmicos” é muito forte na ufologia. A ideia de seres avançados, ou mesmo de um “plano superior”, que viriam prestar auxílio e orientação aos terráqueos ainda permeia muitas abordagens.  É uma posição temerária e infundada, uma vez que o potencial destrutivo de entidades ufológicas é reconhecido em toda a comunidade. O fato de não haver evidências de conflito ou guerra, não significa que não pode ocorrer.

Por outro lado, determinar que alienígenas seriam essencialmente agressivos, em termos ufológicos, também não tem fundamento, pois a maioria dos testemunhos não envolve violência.

Nosso entendimento pessoal é que a agressão por parte de alienígenas, assim como por parte de seres humanos, é uma questão conjuntural e que a ameaça de seu potencial destrutivo não pode ser desprezada.

Entretanto, a frase, como verdade enunciável, é uma falácia.

Adicionalmente, há uma evidente contradição entre os argumentos que sustentam as frases 4 e 7.

 

Veja também Debatendo Teses Infundadas na Ufologia.

6. Eles não nos colocaram aqui

Há várias especulações sobre a relação entre alienígenas e a humanidade. Em linha gerais, temos as abordagens da evolução paralela, onde eles teriam se desenvolvido independentemente de nós; do hibridismo, no qual teríamos nos desenvolvido a partir de experiências genéticas deles; do colonialismo, onde seriamos basicamente alienígenas segregados; e do “segregarismo”, onde  eles, na verdade, seriam humanos que se separaram da humanidade e alcançaram alto desenvolvimento tecnológico há muito tempo.

Cada abordagem tem seus favorecimentos e entraves com base no quebra-cabeças das evidências.  A frase apenas considera uma delas, sem desenvolver qualquer dos aspectos que a embasa. Assim, como verdade enunciável, ela é uma falácia.

Saiba mais sobre discussões envolvendo o assunto em Tópicos Avançados.

5. Eles são imunes a bactérias terrestres

A justificativa está certa em afirmar que bactérias teriam de ser capazes de interagir com a bioquímica alienígena para serem perigosas, algo que não pode ser dado como certo. Mas também não pode ser dado como errado. Assim , a frase, como verdade enunciável, é uma falácia.

4. Eles não vão nos devorar

A base do argumento é apenas uma suposição não sustentada. Assim, a frase, como verdade enunciável, é uma falácia.

Como já apontado, há uma evidente contradição entre os argumentos que sustentam as frases 4 e 7.

3. Eles não vão se reproduzir com humanos

A questão, em termos ufológicos, envolve a natureza e origem dos alienígenas, conforme desenvolvido nas considerações sobre a questão 6. Mesmo com origens distintas, há também de se considerar a diferença entre reprodução natural e por tecnologia de combinação genética.

A frase, como verdade enunciável, também seria uma falácia.

2. Eles não virão “pessoalmente”

A existência de sondas e comunicação remota são elementos observados na casuística ufológica. A questão do “se eles virão” é superada, conforme a seguir.

1. Eles podem não existir

Para a ufologia, a existência de criaturas alienígenas é um fato. Discutimos isso nas seções Realidade OVNI e Ufoarqueologia.

FICHAMENTO

Data: 20130318.

TAGS: Análises, Ciência, Exobiologia, Ufologia.

Acesse Artigos Similares.

_____________________
Entenda melhor qual a relação desse assunto com a ufologia, ou por que ele nos interessa, conhecendo o significado das tags e outros parâmetros de fichamento em Estruturação de Dados.

Críticas, acréscimos ou sugestões, comente ou Entre em Contato.
Caso tenha interesse, saiba COMO CONTRIBUIR com nossas pesquisas.

Comente

COMENTÁRIO

ATENÇÃO: Comentários são públicos. Para manifestações privativas, utilize Nosso Formulário. Comentários desrespeitosos, infundados ou fora de contexto serão removidos.

*

© 2003, 2010-2015. Ufologia Objetiva. Direitos reservados.
Cópias sem fins lucrativos permitidas, desde que citada a fonte.