Disco Voador

A página não foi completamente carregada ou o navegador não suporta JavaScript. Textos Assim correspondem às notas.

Chamamos discos voadores objetos móveis de comportamento anômalo, com origem incerta e natureza desconhecida, testemunhados por milhares de pessoas em todo o mundo. Baseados em evidências recolhidas e estudadas durante mais de meio século, muitos assumem que esses objetos são veículos artificiais de transporte ou prospecção controlados por inteligências ainda não identificadas.

disco voador foi originalmente instituído pela imprensa. Kenneth Arnold comparou o movimento oscilante dos objetos que testemunhou ao de discos arremessados na superfície da água. A expressão discos voadores, creditada inicialmente ao jornalista William Bequette, repórter do East Oregonian newspaper,Project 1947. Acesso em 02/07/2010. foi rapidamente adotada pelos veículos de comunicação que acabaram consagrando uma das mais difundidas formas contemporâneas de referenciar esses objetos.

O fato do termo disco, originalmente empregado em outro contexto, muitas vezes coincidir com a descrição física nos avistamentos é apontado pelos críticos como uma evidência de um suposto caráter exclusivamente psicossocial do fenômeno. Na realidade, os discos voadores costumam apresentar formas sólidas e compactas, em padrões muitas vezes monótonos. Muitos são discóides, mas a predominância desse formato pode ser atribuída a diversos fatores que influenciam os testemunhos, como o aspecto brilhante das naves: qualquer objeto brilhante, razoavelmente compacto, numa distância considerável, dará a impressão de ser uma elipse ou esfera luminosa, independentemente de seu formato.

Na realidade, disco voador é uma tradução bem mais elegante que o termo original. A palavra saurcer significa literalmente pires, e a expressão pires voador (flying saucer) é tão desajeitada em inglês quanto em português. O emprego rendeu seus frutos: se ele os tivesse chamado de discos voadores ou simplesmente objetos desconhecidos, toda a questão poderia ter sido diferente. Mas desde o início o nome pires constituiu um obstáculo a qualquer investigação séria.Dolnad Keyhoe, em Flying Saucers From Outer Space, citado em UFOS – Ilusão ou Realidade?, organizado por Carlos S. Wallace. Ediouro: 1985. p. 14.

Historicamente, os discos voadores são descritos conforme a vivência de quem os observa. Alexandre, o Grande, familiarizado com operação militares, descreveu os objetos que viu em 329 a.C. como grandes escudos prateados brilhantes. Aristóteles, conhecedor dos lançamentos efetuados pelos atletas gregos, chamou-os de discos celestiais. Os nativos havaianos, chamavam-os de akuatele (espíritos voadores). Na Idade Média, viam-se cruzes voadoras e na Era dos Descobrimentos foram chamados na França de brilhantes balões flamejantes.Saiba mais na seção Ufoarqueologia.

UFO, OVNI, NAVEX

A expressão disco voador, forjada pela imprensa na euforia dos acontecimentos, tornou-se popular. Chegou a ser usado oficialmente durante algum tempo, mas conforme o fenômeno foi se tornando mais preocupante no entender dos órgãos governamentais, novas terminologias foram empregadas para designá-lo. A primeira definição constante em um documento oficial reconhecido foi UFOB. O Regulamento nº 200-2/54, a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) determinou que:

Unidentified Flying OBject (UFOB) relaciona-se a qualquer objeto aéreo que pela performance, características aerodinâmicas, ou detalhes incomuns, não conforma nenhum tipo de avião ou míssil conhecido no presente, ou que não pode ser positivamente identificado como um objeto familiar.Unidentified Flying OBject (UFOB) relates to any airborne object which by performance, aerodynamic characteristics, or unusual features, does not conform to any presently known aircraft or missile type, or which cannot be positively identified as a familiar object. USAF Regulation nº 200-2, de 12 de agosto de 1954. Seção A, §2. Transcrissão em cufon.org. Acesso em 02/06/2010.

Doze anos depois, antevendo o encaminhamento do Relatório Condon, a sigla UFOB perde uma letra e sua nova definição incorpora uma política de desqualificação adotada pelo governo americano. Para a USAF, conforme o Regulamento nº 80-17/66, UFO passa a ser algum fenômeno aéreo ou objeto que é desconhecido ou aparenta fora do ordinário para o observador.Any aerial phenomenon or object which is unknown or appears out of the ordinary to the observer. USAF Regulation nº 80-17, de 19 setembro de 1966. Secão A, §1. Transcrissão em cufon.org. Acesso em 02/06/2010.

Enquanto a definição no Regulamento nº 200-2/54 pressupunha a intervensão de um analista competente, capaz de identificar positivamente que determinado avistamento não conforma objetos ou fenômenos conhecidos a partir de suas características; o Regulamento nº 80-17/66 delega essa análise à impressão subjetiva do observador, desconsiderando sua competência,  além de assumir como aparentes as ocorrências fora do ordinário. Allen Hynek, em seu livro de 1972, sem dúvida mais influnciado pelo Regulamento nº 200-2/54 que pelo nº 80-17/66, definiu UFO como:

A percepção relatada de um objeto ou luz, avistado no céu ou no solo, cuja aparência, trajetória e dinâmica geral, assim como seu comportamento luminescente não oferece uma explicação lógica e convencional e não só permanece misterioso para quem o viu, mas continua não identificado após o exame cuidadoso de todas as provas disponíveis, realizado por pessoas tecnicamente capazes de fazer uma identificação lógica, se essa for possível.J. Alle Hynek. UFOLOGIA: Uma Pesquisa Científica. Rio de Janeiro: Nordica, s.d. Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. Título original: THE UFO EXPERIENCE: A scientific enquiry (1972). p. 20.

O termo UFO e suas traduções literais, como OVNI (Objeto Voador Não Identificado) e OANI (Objeto Aéreo Não Identificado), são largamente empregados por pesquisadores de todo o mundo. Um problema nessas expressões, apesar da definição abrangente de Hynek, é que elas trazem declarados especificamente objetos aéreos. Uma vez que muitos discos voadores também são observados em outros meios, ocorre a inconveniente necessidade de expressões adaptadas como OSNI (Objeto Submarino Não Identificado) e OFNI (Objeto Flutuante Não Identificado).

Tentando contornar o contratempo, muitas expressões alternativas foram sugeridas e empregadas, como VED (Veículo Extraterrestre Dirigido) e NAVEX (Nave Extraterrestre). Empregaremos nesse site os termos UFO e OVNI sempre no sentido de Hynek, considerando “no céu ou no solo” do conceito como qualquer meio, inclusive água e vácuo. Por hora, enquanto não é publicado o material relevante para sustentar o conceito apresentado no incío desse artigo, disco voador será usado como sinônimo.

FICHAMENTO

Data: 20100715.

TAGS: Análises, Ufologia.

Acesse Artigos Similares.

_____________________
Entenda melhor qual a relação desse assunto com a ufologia, ou por que ele nos interessa, conhecendo o significado das tags e outros parâmetros de fichamento em Estruturação de Dados.

Críticas, acréscimos ou sugestões, comente ou Entre em Contato.
Caso tenha interesse, saiba COMO CONTRIBUIR com nossas pesquisas.

Comente

COMENTÁRIO

ATENÇÃO: Comentários são públicos. Para manifestações privativas, utilize Nosso Formulário. Comentários desrespeitosos, infundados ou fora de contexto serão removidos.

*

© 2003, 2010-2015. Ufologia Objetiva. Direitos reservados.
Cópias sem fins lucrativos permitidas, desde que citada a fonte.