Ceticismo Científico x Ceticismo Dogmático

A página não foi completamente carregada ou o navegador não suporta JavaScript. Textos Assim correspondem às notas.

Ceticismo Científico x Ceticismo DogmáticoCeticismo Científico x Ceticismo Dogmático. Sociedade dos Cientistas Mortos. Acesso em 25/07/2010.

Francisco Saiz*

“Tudo o que sei é que nada sei” – Sócrates

A palavra ceticismo vem do grego “skêpsis”, que significa indagação, exame. O desejo de aprender está relacionado com o ato de fazer indagações, com a curiosidade. Informar-se, examinar, analisar, ponderar sobre alguma coisa é uma forma de saciar essa curiosidade. Então o ceticismo, na raiz de sua palavra, implica no procurar saber, no não se contentar com a ignorância sobre os fatos. Buscar explicações faz parte da natureza humana. A curiosidade impulsiona a humanidade. A ciência e toda a tecnologia existe porque pessoas movidas pelo não conformismo de não saber indagam, examinam – enfim, praticam o ceticismo.

Pirro fundou, no século IV a.C., a primeira escola cética. Não deixou nada escrito, mas o pirronismo é citado por Diógenes Laércio da seguinte forma: “Chamam-se céticos, porque sempre examinam e nunca encontram”. Os seguidores dessa escola de pensamento não visam descobrir, entender, examinar, mas apenas e tão somente fixar-se na indagação. A indagação é um fim por si só.

Outro tipo de ceticismo é o dogmático. No ceticismo dogmático o objetivo não é investigar e obter conhecimento, mas unicamente desacreditar alguma idéia que contrarie um conjunto de crenças pré-estabelecidas. Na vigência do ceticismo dogmático, nenhuma nova idéia pode florescer. É o ceticismo conduzido às fronteiras do cinismo, da hipocrisia, da ignorância. É o “não querer saber” levado ao exagero insano (por isso ignorante), disfarçado de “indagação e exame” (por isso cínico e hipócrita). É o ceticismo adotado pela Igreja nos tribunais de Inquisição. Lembremos do exemplo de Galileu Galilei, que foi obrigado a negar a sua descoberta de que a Terra é que gira ao redor do Sol. Quando solicitou aos Inquisitores que olhassem pela luneta, estes simplesmente se negaram, alegando que ela estaria adulterada ou que satanás estivesse a produzir ilusões de ótica para desvirtuar o homem do caminho da verdade.

Esse mesmo ceticismo dogmático é utilizado pelos que combatem a Teoria da Evolução e que defendem o Mito da Criação segundo o Gênesis. Simplesmente se negam a “olhar na luneta”, ou seja, nunca leram A Origem das Espécies, de Darwin – mas se apressam em criticar o darwinismo; “não querem saber” das descobertas arqueológicas e geológicas, dos registros fósseis, dos estudos de genética e taxinomia (ciência da classificação) dos animais. São céticos dogmáticos quanto a tudo isso, pois não buscam esclarercer nada. Preferem se manter à distância, criticando, atirando pedras. Usam argumentos colhidos credulamente de panfletos criacionistas de banco de igreja. Fazem de tudo para proteger a fé, pois já assumiram previamente que esta é verdadeira e nada vai tirar isso deles.

Uma outra corrente de ceticismo é a utilizada por muitos filósofos e cientistas. Nas palavras de Carl Sagan: “Nós encontramos (o ceticismo) todos os dias. Quando compramos um carro usado, se formos minimamente inteligentes nós exercitaremos pelo menos um mínimo de atitudes céticas – se nossa formação escolar tiver deixado alguma coisa. Você pode dizer ‘este sujeito parece honesto. Eu vou acreditar em tudo que ele disser’. Ou você pode dizer ‘bem, eu ouvi dizer que às vezes acontecem pequenas fraudes na venda de um carro usado, talvez sem o conhecimento do vendedor’ e aí você faz algum coisa. Você chuta os pneus, abre as portas, olha sob o capô (você pôde fazer tudo isso mesmo se não souber o que deveria estar sob o capô, ou pode trazer um amigo com queda para mecânica). Você sabe que algum ceticismo é necessário, e você entende por quê. É desagradável que você talvez tenha que discordar do vendedor ou lhe fazer perguntas que ele não queira responder. Há ao menos um pequeno grau de confrontação interpessoal envolvido na compra de um carro usado e ninguém diz que isso seja especialmente agradável. Mas há uma razão boa para ela – porque quem não usar um mínimo de ceticismo, quem tem uma credulidade absolutamente irrestrita, provavelmente depois pagará algum preço por isso. Aí irá se arrepender por não ter feito um pequeno investimento em ceticismo.

Mas você não precisa passar quatro anos em um curso superior para entender isso. Todo mundo sabe disso. O problema é que carros usados são uma coisa, e comerciais de televisão ou pronunciamentos depresidentes e líderes de partidos são outra bem diferente. Nós somos céticos em algumas áreas mas, infelizmente, não o somos em outras.”

Esse ceticismo que utilizamos todo os dias, em situações cotidianas, é um tipo bastante diferente da prática interrogatória sistemática dos que desejam estar eternamente instalados na dúvida, como também nada tem a ver com o ceticismo dogmático. O objetivo desse ceticismo é nos previnir de engodos e falácias (argumentos falsos). É importante para nossa sobrevivência. E é o mesmo tipo que é útil para a ciência.

O ceticismo, quando utilizado de forma inteligente e livre de dogmas, permite que não nos contentemos com respostas mal dadas. Nos impele para o sincero questionamento e nos direciona para as descobertas.

A minha posição cética diante do ceticismo dogmático é bem clara: tudo o que sei é que não gosto de não saber.

*Francisco Saiz é professor de lógica e programação da Fundação Paula Souza, formado em Ciência da Computação pela Universidade Mackenzie, e aluno de mestrado em Inteligência Artificial no Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares da USP – Universidade de São Paulo.

OBSERVAÇÕES

Texto interessante, de clareza e didática muito incomuns. Ele é explicitamente dirigido a criacionistas, mas fica ainda mais rico e útil quando se sabe que o dogmatismo é um vício de todos os paradigmas. Em outras palavras, o ceticismo dogmático não ocorre apenas por parte daqueles que são contra a concepção da ciência dominante, mas também por parte daqueles que promovem o próprio Conhecimento Estabelecido.

FICHAMENTO

Data: 20040000.

TAGS: Ciência.

Acesse Artigos Similares.

_____________________
Entenda melhor qual a relação desse assunto com a ufologia, ou por que ele nos interessa, conhecendo o significado das tags e outros parâmetros de fichamento em Estruturação de Dados.

Críticas, acréscimos ou sugestões, comente ou Entre em Contato.
Caso tenha interesse, saiba COMO CONTRIBUIR com nossas pesquisas.

Comente

COMENTÁRIO

ATENÇÃO: Comentários são públicos. Para manifestações privativas, utilize Nosso Formulário. Comentários desrespeitosos, infundados ou fora de contexto serão removidos.

*

© 2003, 2010-2015. Ufologia Objetiva. Direitos reservados.
Cópias sem fins lucrativos permitidas, desde que citada a fonte.