A Espiral do Silêncio na Ufologia

A página não foi completamente carregada ou o navegador não suporta JavaScript. Textos Assim correspondem às notas.

espiral-do-silencio-img

A Espiral do Silêncio na UfologiaA Espiral do Silêncio na Ufologia – Parte I (Espaço do Leitor) e A Espiral do Silêncio na Ufologia – Parte II (Espaço do Leitor). OVNI Hoje, em 24 e 25 de fevereiro de 2013.

– Texto do leitor FACEPALM no OVNI Hoje.

São diversos os desafios dos ufólogos e ufófilos (termo recém-inventado para designar os simpatizantes de estudo dos ovnis) para que o tema seja tratado com maior seriedade e profundidade por toda a sociedade.

Com base nos diversos vídeos e textos sobre o assunto, cheguei à conclusão de que um dos grandes entraves para que ocorra a desejada divulgação da realidade quanto aos seres alienígenas* provém da própria sociedade, além dos meios de comunicação de massa.

* Não concordo com o termo “desacobertamento”, mas vou deixa-la no texto por simplicidade.

Permita-me embasar minha teoria, apresentando outra (esta sim é, de fato, científica) chamada espiral do silêncio (por wikipedia – http://pt.wikipedia.org/wiki/Espiral_do_sil%C3%AAncio). O assunto é interessante e vale a pena ler até o fim (mas caso queira, leia somente até o quarto parágrafo, ou as partes destacadas):

Espiral do silêncio é uma teoria da ciência política e comunicação de massa proposta pela cientista alemã Elisabeth Noelle-Neumann.

É a hipótese científica de sucesso, segundo a qual há uma ideia de espiral que explicita a dimensão cíclica e progressiva dessa tendência ao silêncio.

Quanto mais minoritária a opinião dentro de um universo social, maior será a tendência de que ela não seja manifestada.

Quando os meios de comunicação, diante de um escândalo político, impõem uma imagem desfavorável de seu protagonista, essa opinião será dominante no universo social que eles atingem. Apesar de haver vozes minoritárias discordantes, haverá uma tendência de que elas se calem. Quando parte desse grupo se cala, a opinião discordante, que já era minoria, se torna ainda mais minoritária, e a tendência ao silêncio é ainda maior.

Estudos sobre a Espiral do Silêncio começaram na década de 60. Essa teoria foi proposta especificamente a partir das pesquisas da alemã Elisabeth Noelle-Neumann sobre os efeitos dos meios de comunicação de massa.

Na Alemanha, entre 1965 e 1972, durante as campanhas eleitorais Noelle-Neumann percebeu uma súbita mudança de opinião, dos eleitores, na reta final do processo de eleição. De acordo com seus estudos, ao mudar de opinião, os eleitores buscavam se aproximar das opiniões que julgavam dominantes.

A ideia central desta teoria situa-se na possibilidade de que os agentes sociais possam ser isolados de seus grupos de convívio caso expressem publicamente opiniões diferentes daquelas que o grupo considere como opiniões dominantes. Isso significa dizer que o isolamento das pessoas, de afastamento do convívio social, acaba sendo a mola mestra que aciona o mecanismo do fenômeno da opinião pública, já que os agentes sociais têm aguda percepção do clima de opinião. E é esta alternância cíclica e progressiva que Noelle-Neumann chamou de Espiral do Silêncio (LAGE, 1998, p. 16) .

Existe uma tendência de acompanhar a opinião da maioria das pessoas, talvez por medo do fator isolamento, isto pelo fato de, em geral, a sociedade exigir uma certa conformidade com o tema em discussão. Este cenário tem a finalidade de manter-se um mínimo de unidade para garantir coerência.

Assim, a Teoria da Espiral do Silêncio procura explicar a influência da opinião pública nas opiniões de cada indivíduo. A mesma mídia que diz publicar o que é de opinião pública é aquela que é indiferente à população quando esta precisa. A Teoria do Espiral do Silêncio nos ajuda a entender como a mídia funciona em relação à opinião pública e como ela silencia suas ideias.

Um exemplo clássico ocorre na infância/adolescência, quando o professor pergunta “quem tiver alguma dúvida, levante a mão!” e, mesmo alguns permanecendo com dúvidas, preferem preservar o silêncio, a correr o risco de se destacar negativamente do grupo (obviamente, ainda há o fator timidez neste caso).

Outro breve exemplo são os spams eletrônicos que são propagados por sofrerem do mesmo mal: por falta de questionamento sobre o assunto (preguiça de pensar?) e em respeito à coletividade (já que se tem tanta gente mandando o e-mail é porque deve ser verdade) as pessoas preferem colaborar dando continuidade às correntes.

Quando o tema é ufologia, este problema fica ainda mais forte e evidente. Observa-se nos próprios comentários deste site: os que discordam do assunto são os que mais se expõem e criticam, pois estão em conformidade com o senso comum da sociedade, sentindo-se blindados de qualquer contra argumentação (esta mesma blindagem o impede de enxergar o assunto mais a fundo, com maior critério). Estão numa posição de conforto, mas sem conhecimento mais aprofundado do caso.

Aliás, pergunto-me o que estas pessoas com aparente conhecimento acumulado, com propriedade para desmitificar qualquer evento ufológico em poucas palavras (balão meteorológico, pipa, cometa, avião, estrela, fake) está fazendo num site de ufologia. Parece aquela piada do português que lê, nos classificados de um jornal qualquer, a seguinte notícia: “precisa-se de motorista” e ele vai até esta empresa que está ofertando o emprego só para dizer que não conte com ele… É tão esquisito quanto participar de um fórum religioso sendo ele ateu.

Retornando ao tema central, pergunte a uma mulher que nada saiba sobre o esporte qual é o melhor jogador de futebol de todos os tempos?  De cara, responderá que foi Pelé (a menos que ela seja argentina, pois responderia Maradona). Perceba que ela responderá isto sem nenhum embasamento teórico, mas estará em conformidade com o pensamento coletivo. Enfim, tomamos por certo o que pensamos que a maioria pensa.

Como consequência desta prática, pode haver certa indução do pensamento coletivo para determinada opinião, mesmo que esta opinião esteja incorreta! Vê-se isto no dia a dia, mas as pessoas sequer fazem um questionamento sobre o tema, justamente sob receio de “discriminação”, ou por puro comodismo. Afinal, se a aquela emissora disse, é porque é verdade. Não se questiona nem porque aquela reportagem apareceu justamente hoje (perceba o interesse oculto por trás de uma matéria). Poderia citar exemplos gerais, mas que fugiriam do núcleo do assunto (caso queira, leia isto para um melhor entendimento http://direitasja.com.br/2012/06/07/como-a-espiral-do-silencio-pode-ser-aplicada-2/).

Retornando ao tema em tela, analisemos com critério o caso mais clássico da ufologia contemporânea, o do acidente em Roswell. Lá, percebe-se que foi com base nesta teoria que as autoridades militares resolveram tratar o acidente (e nunca mais parou, pelo visto). Se inicialmente, houve um “boom de sinceridade” tratado nas rádios e jornais locais, durante os dias subsequentes se investiu em contrainformação. De início, afirmaram tratar-se de um balão meteorológico. Mas a dúvida se manteve, a pressão no governo aumentou. Então uma nova versão surgiu. O jornal “The Evening Reporter” publicou em seguida que universitários brincalhões criaram um disco voador como pegadinha. A Associated Press, em 30 de julho de 1951, na Filadélfia, publicou que dois cientistas associaram os “discos [voadores]” a fatores climáticos. O tempo foi passando, as explicações foram se concretizando no pensamento coletivo e hoje quem se opuser a esta opinião, passa a ser exceção e motivo de chacotas. Pode até ser que alguém tenha opinião diversa, mas, como nos tempo de escola, quem aqui está disposto a levantar a mão?

Em suma, na espiral do silêncio, os indivíduos buscam a integração social através da observação da opinião dos outros, procurando se expressar dentro dos parâmetros defendidos pela maioria com a intenção de evitar o isolamento. Nesse sentido, as pessoas tendem a esconder opiniões contrárias à ideologia majoritária, dificultando assim a mudança de hábitos com a finalidade da manutenção do seu status social.

Quero deixar claro que a “espiral do silêncio” não se resume a um “Maria vai com as outras” ou que “a coletividade é burra”. Muito menos que ela seria o pretexto ideal para uma teoria da conspiração. Aliás, tudo que se opõe ao que a sociedade considera como correta é considerada como uma afronta à realidade, e seria algo tão impossível de acontecer, que já é taxada como teoria da conspiração. De fato,é a mídia que faz uso deste termo tão “exagerado”, como se fosse algo impossível de acontecer, justamente como forma de ridicularizar ideias opostas ao que ao senso majoritário.

A espiral do silêncio é um fenômeno científico social e É APLICADO principalmente na política e no jornalismo como ferramenta para mudança da opinião pública.

Portanto, antes de criticar alguma opinião minoritária, tente formar uma base de conhecimento sobre o assunto. Com certeza, nem tudo que é dito aqui (ou em qualquer outro local) é a mais pura verdade. São observações, relatos, e cabe a nós discernir o que tende a ser verdade e o que tende a ser manipulação da realidade. Mas este mesmo questionamento deve ser posto em prática, também, para aquilo que parece óbvio ou de consenso comum.

Agora que você entendeu o que é a espiral do silêncio, coloquemos em pauta o principal questionamento: como superar a espiral do silêncio na ufologia?

Esta pergunta não é nada fácil de responder. Na verdade, não visualizo soluções a curto ou médio prazo e sendo a ufologia tão polêmica, torna-se uma missão quase impossível, pois poucos estão dispostos à aceita-la e difundi-la.

É bom frisar que esta pergunta abrange desde os grandes eventos ufológicos, até mais os pontuais, aqueles que, talvez, tenha acontecido com você, um parente próximo ou conhecido. As dificuldades são diferentes, mas igualmente desafiadoras:

  • Quando é um fato isolado, as pessoas preferem se manter caladas a enfrentar a sociedade. Pessoas perdem o respeito, famílias se isolam, pilotos perdem o emprego.
  • Quando o assunto abrange um grupo ou mesmo uma cidade, logo a mídia da contrainformação tenta banalizar o evento ou, simplesmente, o tema não é mais exposto. Nestas horas, você se pergunta onde está a reportagem investigativa quando se precisa dela? Pode até ser que uma investigação se inicie, mas de onde tirarão informações oficiais? Ora, do governo, dos militares, dos climatologistas “renomados”, …

Perceba, ainda, que a inércia (no caso, a ausência de alguma ação ou resposta oficial) muitas vezes já é suficiente para calar os “opositores da verdade”. As pessoas, quando se interessam pelo assunto (um passo enorme para adquirir maior embasamento teórico e, portanto, escapar da espiral) simplesmente pensam: “ora, se aquele evento era aparentemente tão importante e não se deu continuidade nas investigações (pois não vejo mais nada a respeito na mídia) deve ser porque já comprovaram que isto é uma farsa e eu apenas não li a respeito”. Nada como o tempo para acalmar mentes inquietas!

Mas tentando responder à pergunta inicial, recordemos que, considerando a espiral do silêncio, mudanças sociais somente ocorreriam quando houvesse um sentimento já dominante, o que passa invariavelmente pela imprensa.

Conforme Noelle-Neumann, cientista alemã que batizou o termo, a Espiral do Silêncio trabalha com três mecanismos que condicionam seu funcionamento:

  • acumulação, devido ao excesso de exposição pela mídia de determinado assunto,
  • consonância, relacionada à forma como as notícias são produzidas e veiculadas, e
  • ubiquidade, a qual está para a presença da mídia em todos os lugares. Juntos, esses mecanismos determinam a forte influência da imprensa sobre o público e seu papel determinante na formulação da percepção da realidade nesse público.

No caso da ufologia, os três mecanismos da espiral do silêncio para um desacobertamento são:

  • acumulação: nunca há exposição sobre eventos ufológicos, quanto mais em excesso. Quando fenômenos anômalos ocorrem, o máximo que a mídia faz é citar o evento e dizer que as autoridades estão investigando o caso (mas nunca dizem qual o resultado das investigações posteriormente).
    Casos mais impactantes, como o do ET de varginha, possuem exposição ainda maior, porém a exposição diminui rapidamente em detrimento de outros eventos mais atrativos para a massa (por exemplo, “caso” do goleiro Bruno, lançamento de nova música de algum cantor pop). As explicações oficiais para o fenômeno são o cheque mate para o esquecimento (sejam elas quais forem).
  • Consonância: as notícias são veiculadas com um misto de mistério (inicialmente mais forte) e depois de ridicularização, progressivamente valorizado (“Olha o que era! E tem gente que acredita nisto…”).
  • Ubiquidade: com exceção dos casos mais populares, a informação só se mantém por mais tempo em sites especializados. Por conta disto, muitos já consideram que a informação é falsa, por não aparecer em veículos de comunicação de maior renome (“se não está na Globo, Veja, G1.com.br, só pode ser falso!”)

Então percebam: para haver aceitação da sociedade, a mídia deve estar presente de forma maciça, prolongada, além de apresentar uma notícia com qualidade.

Por conta do exposto, tenho uma visão pessimista quanto a um possível desacobertamento. Todas as tentativas (diretas ou indiretas) até agora, isoladamente, são insuficientes para promover uma mudança, embora sejam válidas:

TABELA-espiral do silencio

Nos exemplos acima, pelo menos um dos três mecanismos da espiral do silêncio são falhos, insuficientes para que o tema seja absorvido pela sociedade e aceito como a verdade. Desta forma, a mídia envolta do assunto se enfraquece e o efeito espiral é quebrado.

Perceba que quanto aos sites especializados, a respeito da consonância, citei que nem sempre isto ocorre, pois em muitos deles não há uma “triagem” do material, misturando diversos temas (misticismo, paranormalidade, fadas, tarô, esoterismo, etc). Embora algum dia isto possa até ser provado que exista relação, esta fusão de conteúdo compromete a credibilidade do material visto que outros temas vão de encontro às crenças religiosas e convicções da maioria da população.

Outra situação, já servindo de exemplo: existem links no YouTube, em que num mesmo vídeo há uma mistura de eventos sérios (plausíveis) com outros que já se sabem tratar-se de montagem. Assim, compromete-se toda a credibilidade do todo.

Portanto, quando presenciaremos um desacobertamento?

Quando o “acaso” ocorrer de que todos os três mecanismos da espiral do silêncio estiverem presentes em favor de um único evento ou uma sequência de eventos. Para isso:

a)     Quando s informações sigilosas estiverem disponíveis publicamente: os governos liberarem TODOS os documentos ufológicos, ou ao menos os mais importantes, em que se afirme que já fomos e/ou estamos sendo visitados por seres extraterrenos.

b)     Quando for impossível ocultar um evento de impacto mundial: as entidades extraterrestres se revelarem para a sociedade de forma explícita.

Apenas para não terminar de forma negativa, eu vejo dois pontos positivos para que “a” aconteça antes de “b” (afinal, “b” não depende de nós):

1)     A mídia televisiva está mais aberta ao tema ufologia em canais de documentários (Discovery, National Geographic, History Channel), abordando o tema com uma postura séria (na maioria das vezes), com uma exposição relativamente alta, embora com ubiquidade (presença da mídia em todos os lugares) ainda a desejar, visto se tratar apenas de canais fechados de televisão, e que você pode optar por não ver a notícia.

Lembre-se que na espiral do silêncio, a informação se apresenta de forma tão massiva que é inevitável você ficar totalmente por fora do assunto, mesmo sem nunca ter visto o assunto (exemplo: final de novela, Big Brother, caso de assassinato de repercussão nacional).

São poucos os casos ufológicos que tiveram mesmo impacto. Contudo, o ponto positivo que citei é que, graças a estas séries em forma de documentário, aos poucos se desenvolve uma espécie de formação cultural sobre o tema. São canais sérios que não teriam a informação passada corretamente quando comparado ao Programa do Ratinho, por exemplo.

Eu acredito que isto seja uma forma de “alfabetizar” a sociedade para a ufologia e preparar-nos para uma possível notícia que não ouso prever como seria, muito menos quando. Devemos nos lembrar que, ao se comprovar a “realidade extraterrestre”, os impactos seriam imensuráveis na nossa sociedade e os mais afetados (e desacreditados) seriam os governos. E isto não é teoria da conspiração.

2)     Iniciativas como a do Dr. Greer em realizar audiências públicas, embora não tenham o impacto desejado para quebrar a espiral do silêncio, está servindo para expor informações sigilosas à sociedade e, assim, acelerar o processo de preparação para uma “revelação”. Em outras palavras, está surtindo efeito nos bastidores, longe dos olhos da maioria da população.

Se o governo tem um cartilha ensinando como lidar com um possível desacobertamento, audiências públicas com pessoas renomadas talvez não surtam o mesmo efeito. Enfim, mesmo servindo-se da contrainformação, ainda há um impacto positivo e creio que eles (governo, militares) ainda não saibam ainda como lidar com isto de modo eficiente.

Assim, antes de questionar a atitude de alguém em favor do desacobertamento, pergunto: será que o você faria (se é que você faria) romperia a espiral do silêncio?

“O que estamos enfrentando aqui, por parte da imprensa e também do governo, é um esforço para marginalizar e ridicularizar as pessoas que possuem algum conhecimento específico”  (Mike Gravel, ex-senador dos EUA)

-FACEPALM

FICHAMENTO

Data: 20130525.

TAGS: Acadêmicos, Conspiração, Ufologia.

Acesse Artigos Similares.

_____________________
Entenda melhor qual a relação desse assunto com a ufologia, ou por que ele nos interessa, conhecendo o significado das tags e outros parâmetros de fichamento em Estruturação de Dados.

Críticas, acréscimos ou sugestões, comente ou Entre em Contato.
Caso tenha interesse, saiba COMO CONTRIBUIR com nossas pesquisas.


Comentários [2, RSS]
  • Excelente texto!
    Parabens!!

  • Comente

    COMENTÁRIO

    ATENÇÃO: Comentários são públicos. Para manifestações privativas, utilize Nosso Formulário. Comentários desrespeitosos, infundados ou fora de contexto serão removidos.

    *

    © 2003, 2010-2015. Ufologia Objetiva. Direitos reservados.
    Cópias sem fins lucrativos permitidas, desde que citada a fonte.